Notícias

Fique por dentro!
Início » Vai ficar por isso mesmo?

Vai ficar por isso mesmo?

Polícia Federal e o Ministério Público Federal investigam a ligação do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, com integrantes da família de Walter Dacroce, suspeita de grilagem de terras públicas no Pará e que foi uma das fontes que abasteceram a empresa Rondobel Madeiras Ltda, proprietária de parte dos 200 mil metros cúbicos de madeira ilegal apreendida no Amazonas em novembro do ano passado, avaliada em R$ 130 milhões. Mesmo ciente de que as investigações da PF indicavam que a madeira era fruto de fraudes e de desmatamento ilegal, o ministro foi ao local nos dias 31 de março e 7 de abril deste ano defender os criminosos. Salles chegou a descer de helicóptero do Ibama em uma das fazendas dos Dacroce usadas na extração ilícita de pelo menos 43 mil toras cortadas irregularmente, como demonstração de apoio aos exterminadores das florestas. Isso levou o delegado federal Alexandre Saraiva, responsável pela investigação, a denunciar o ministro ao STF “por advocacia administrativa e por obstar a ação fiscalizadora do Poder Público”. As suspeitas da PF apontam que Salles obteve “vantagens de qualquer natureza, mediante a prática de infrações penais e crimes ambientais”.
Pode ser uma imagem de 1 pessoa e texto que diz "VAI FICAR POR ISSO MESMO? EXCLUSIVO: A misteriosa história do ministro Ricardo Salles com madeireiros ilegais ISTOE Como funciona o esquema de desvio ilícito de madeira que, segundo a Polícia Federal, conta com o aval do titular da pasta do Meio Ambiente ogerio PT Correia"
Cadastre-se e receba o conteúdo especial que preparamos pra você!

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *