Notícias

Fique por dentro!
Início » Usar a crise para chegar ao poder é ‘versão moderna de golpe’, declara Dilma

Usar a crise para chegar ao poder é ‘versão moderna de golpe’, declara Dilma

dilma-crise
Em entrevista à rádio paulista, Dilma diz que vários países passaram por crises nos últimos anos e que em nenhum a “ruptura democrática” foi proposta Wilson Dias/Agência Brasil

A presidenta Dilma Rousseff afirmou, nesta quarta-feira (16), durante entrevista à rádio de Presidente Prudente (SP), que utilizar a crise para tentar chegar ao poder é uma forma de golpe.

Dilma lembrou que “todos os países passaram por dificuldades” e que não se viu propostas de ruptura democrática para superar a crise. “Esse método, que é querer utilizar a crise como um mecanismo para você chegar ao poder, é uma versão moderna de golpe”, criticou.

“Eu acredito que tenham ainda no Brasil, infelizmente, pessoas que não se conformam que nós sejamos uma democracia sólida, cujo fundamento maior é a legitimidade dada pelo voto popular”, disse.

De acordo com a presidenta, essas pessoas geralmente torcem para o quanto pior, melhor. “E aí é em todas as áreas. Quanto pior, melhor na economia. Quanto pior, melhor na área da política. Todas elas esperando uma oportunidade para pescar em águas turvas”, analisou.

Sobre o rebaixamento do grau de investimento do Brasil pela Standard & Poor’s, Dilma recordou que os Estados Unidos foram rebaixados em 2011, a França, a Itália e a Espanha em 2012.

“Todos os países foram muito maiores que suas notas. E o Brasil é muito maior que sua nota. Todos voltaram a crescer e vai ser assim com o Brasil”, defendeu.

A presidenta declarou que o Brasil está adotando medidas importantes para superar a crise. “Estamos trabalhando imensamente para que nossa economia se torne cada vez mais sólida para aumentar a confiança dos agentes econômicas em relação aos investimentos”, disse.

Dilma acrescentou que o País não enfrenta problemas de crédito internacional e que o governo está agindo para controlar a inflação, atingir o equilíbrio do orçamento e garantir o crescimento.

“Nós somos a sétima economia do mundo e por isso vamos atravessar esse período de crise que muitos países passaram, que nós procuramos de todos os meios evitar, não foi possível. E vamos fazer todas essas medidas, tanto as de reequilíbrio ou ajuste fiscal e as de estímulo ao investimento, à agricultura para voltar a crescer e gerar emprego”, detalhou

Fonte: Agência PT de Notícias

Cadastre-se e receba o conteúdo especial que preparamos pra você!

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *