Notícias

Fique por dentro!
Início » Quer vender a Copasa, Zema? Primeiro leia a Constituição: terá que peguntar ao povo mineiro

Quer vender a Copasa, Zema? Primeiro leia a Constituição: terá que peguntar ao povo mineiro

QUER VENDER A COPASA, ZEMA? PRIMEIRO LEIA A CONSTITUIÇÃO: TERÁ QUE PERGUNTAR AO POVO MINEIRO

Zema finge não saber, mas privatizar a Copasa depende da aprovação do povo. Rogério Correia foi relator, quando era deputado estadual, de emenda constitucional do ex-governador Itamar Franco que proíbe vender empresas estatais de distribuição de gás canalizado, de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica ou de saneamento básico, sem que seja submetido a referendo popular.

Como relator, Rogério Correia estabeleceu ainda que é necessário, antes de tudo, aprovar o quórum na Assembleia Legislativa por três quintos dos parlamentares. Em seguida ir a referendo. Portanto, Zema quer vender a Copasa afrontando a Constituição.

Pior, Zema fala agora da Copasa, porém, já anunciou que pretende fazer o mesmo com a Cemig e a Codemig, entregando a preço de banana nossas empresas ao capital financeiro. Estamos de olho juntamente com os sindicatos e com os movimentos sociais. Aliás, se prevalecer a vontade do povo, a Copasa continuará sendo a empresa estatal que presta um serviço de saneamento de excelência. Levantamento realizado no fim do último ano pela Associação Mineira de Municípios em parceira a MDA Pesquisa mostra que ampla maioria dos mineiros rejeitam a venda. As pessoas já sabem que privatização não significa melhorias de serviços. Pelo contrário, o lucro acima de tudo causa danos sem precedentes, a exemplo da Vale em Mariana e Brumadinho. Além disso, encarecerem as contas.

Ao que tudo indica, Zema nada aprendeu com a pandemia e insiste em manter a velha e ultrapassada concepção capitalista de visar somente o lucro, sem cuidar das pessoas. Inclusive, ele pensa que o vírus deve viajar. Esta atitude de Zema, seguindo a cartilha de Bolsonaro, está causando de um verdadeiro genocídio. A recuperação da economia deverá ter uma forte presença do estado e de empresas estatais, e a crise sanitária é prova disso em todo o mundo.

Cadastre-se e receba o conteúdo especial que preparamos pra você!

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *