Notícias

Fique por dentro!
Início » Justiça pode ter partido? O antipetismo do Judiciário chega a ser patético

Justiça pode ter partido? O antipetismo do Judiciário chega a ser patético

Infelizmente, um pedaço significativo do Judiciário brasileiro é partidarizado. É de direita e ultimamente não costuma sequer despistar a preferência pelo PSDB. Veja o caso do Ministério Público paulista, que agora acusa o candidato a vice-presidente de Lula, Fernando Haddad, de “enriquecimento ilícito” por conta de suposto caixa 2 em campanha política de 2012.

Pode apostar: vai ser assim até a eleição. E, a cada subida de Lula nas pesquisas, mais factóides serão criados e explorados pela mídia corporativa, parceira fundamental do Judiciário parcial.

O MP paulista é o mesmo que nunca se interessou pelo envolvimento de Geraldo Alckmin ou José Serra nos escândalos na Dersa e no Metrô de São Paulo. E que agora decide promover uma caçada com objetivo eleitoral contra Haddad, brandindo acusações genéricas de 2012 exatamente logo após Haddad ter sido confirmado como o escolhido por Lula para seu vice nestas eleições.

Felizmente, tudo indica que a ficha do povo caiu. Percebeu que foi vítima de manipulação grosseira com o único objetivo de piorar a vida dos pobres, vendendo o Brasil por mixaria às multinacionais e atacando direitos dos trabalhadores. Tanto percebeu que Lula, indicam todas as pesquisas, está prestes a vencer no primeiro turno.

O povo não é bobo, manda abaixo a Rede Globo e também quer Lula de volta para o Brasil voltar a sorrir.

Rogério Correia, deputado do PT
Mandato Sempre na Luta
Candidato a federal (n° 1313)
Coligação Juntos com o Povo (PT/PR/PSB/DC/PC do B) CNPJ – 31.243.441/0001-48
#LulaLivre

ATENÇÃO
Contribua com a candidatura de Rogério Correia a deputado federal. Um mandato por #LulaLivre, pela soberania nacional, pela educação e pelo povo no poder: https://doacaolegal.com.br/rogerio-correia

Cadastre-se e receba o conteúdo especial que preparamos pra você!

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *