Notícias

Fique por dentro!
Início » Brasil influencia redução da desigualdade na América Latina

Brasil influencia redução da desigualdade na América Latina

Queda da Desigualdade
Na América Latina, a redução das diferenças salariais é o principal fator para a queda das desigualdades. Isso ocorreu “em razão do maior acesso à educação” e aumento nos gastos em saúde e educação

 

O relatório da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), divulgado pela BBC Brasil nesta quinta-feira (21), destaca o papel do Brasil na redução da desigualdade na América Latina na última década.

De acordo com o documento, a maioria dos países da América Latina, “particularmente o Brasil”, vem reduzindo de forma generalizada a desigualdade, desde o final dos anos 90. “Essa redução não ocorreu de forma tão acentuada em outras regiões”, afirmou à BBC o analista de políticas sociais da OCDE, Horácio Levy.

O estudo aponta uma queda na desigualdade de renda na região, enquanto nos países ricos continua em alta. “A trajetória da América Latina contrasta com as dos países da OCDE, onde a desigualdade de renda tem aumentado desde o início dos anos 80″, comparou o especialista. A desigualdade de renda nesses países atingiu, em alguns casos, “altas históricas”, diz o documento denominado “Juntos nisso – Por que menos desigualdade beneficia a todos”. (tradução livre)

Os dados da OCDE indicam que os 10% mais ricos ganham 9,6 vezes mais do que os 10% mais pobres. Essa proporção vem crescendo desde a década de 80, quando era de sete vezes mais. Na década de 2000, subiu para 9,1 vezes mais, chegando aos 9,6 atuais.

O documento alerta, no entanto, para o fato de haver uma desaceleração na desigualdade latina a partir de 2010. Segundo a OCDE, o coeficiente Gini, que mede a desigualdade de renda, é de 0,32 na média dos países ricos da OCDE. O índice vai de 0 a 1 – quanto mais alto, maior a desigualdade. O Gini do Brasil é 0,55; do México, 0,48; e, do Chile, 0,51.

Em meados da década de 80, o coeficiente médio de 22 países da OCDE era de 0,29. O aumento de quase 11% no índice representa crescimento da desigualdade. No Brasil, o coeficiente Gini passou de 0,6, em meados dos anos 90, para 0,55 agora – queda de aproximadamente 8%.

Na América Latina, a redução das diferenças salariais aparece como principal fator para explicar a queda das desigualdades. Isso ocorreu, segundo o estudo, “em razão do maior acesso à educação nesses países” e aumento nos gastos na área de saúde e educação”.

Entre os fatores que promoveram o aumento da desigualdade nos países da OCDE estão as mudanças ocorridas no mercado de trabalho decorrentes da globalização, avanços tecnológicos e reformas regulatórias. Setores com alta demanda por pessoas qualificadas, como tecnologia da informação e finanças, promoveram “aumentos substanciais dos ganhos”, enquanto os com baixa qualificação não mostraram mesma evolução, devido à concorrência direta dos países emergentes, com mão de obra mais barata.

O documento esclarece que a partir dos anos 2000, as desigualdades de renda também aumentaram em economias emergentes como China, Rússia, Indonésia e África do Sul. A OCDE reúne 34 países, a maior parte deles formada por economias industrializadas.

“Os empregos pouco qualificados foram os mais penalizados. A diferença salarial entre trabalhadores mais qualificados e os com menor nível de formação aumentou muito nos países desenvolvidos”, explica o analista. A crise financeira, a partir de 2008, e suas consequências, aumentaram o desemprego em vários países. Hoje, nos integrantes da OCDE, um terço dos empregos são temporários ou de meio período.

Fonte: Agência PT de Notícias

Cadastre-se e receba o conteúdo especial que preparamos pra você!

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *